O sono da criança dos 3 aos 6 anos

khalaó | Blogue

Bem-vindos a este período! Se souberam escutar tudo o que seu pequeno ou pequena reclamava nos períodos anteriores verão como a partir dos 3 anos, tudo melhora. Não quero dizer com isso que sempre aos 3 anos tudo esteja solucionado, mas sim que se produzirá uma diminuição importante dos despertares noturnos, que vão desaparecendo pouco a pouco durante essa fase.

Não se sabe a causa mas a idade de 5 a 6 anos supõe um topo no qual a maioria das crianças solucionam por si sós seus problemas com o sono. As crianças estão maiores e sua maturação leva a um sono mais parecido ao dos adultos.

Esta é a etapa das primeiras aprendizagens escolares e da consolidação da linguagem verbal. A criança já controla seu entorno não só em termos físicos (e como anda!?) mas também em termos verbais. O uso da palavra é muito importante pois lhe permite expressar seus sentimentos, queixas e desejos de forma que a gente entenda mais facilmente.

No entanto, existem alguns problemas que podemos encontrar nessa idade e que não ocorriam antes. Quer dizer, se você tinha um bebê que dormia toda noite desde muito tempo e agora tem algum probleminha, não se assuste: pode ser normal. Confira por que:

  • Até os 3 ou 4 anos a criança vai deixar de fazer sua soneca. Normalmente não acontece nada, mas algumas crianças apresentam um déficit de sono lento. Este sono lento vai ser compensado pelo aumento do sono profundo da primeira parte da noite. A criança pode emendar dois ciclos sucessivos de sono lento (uns 140 minutos) e a dificuldade de passar para as fases de sono mais leve pode produzir alguns transtornos: terrores noturnos, sonambulismo, enurese, etc. É uma etapa em que podem aparecer e no momento em que a criança não precise compensar este déficit de sono, tudo voltará à normalidade.  
  • À parte esses transtornos, é muito normal que nessas idades comecem a pedir coisas que gostam para baixar a ansiedade, relaxar e poder dormir: contar uma história, cantar uma música etc. Esses comportamentos são típicos na nossa cultura porque ensinamos as crianças a dormirem sozinhas. Naquelas em que dormem em companhia de outras pessoas isso não costuma acontecer. Geralmente, os pais que têm mais de um filho costumam notar uma franca melhoria quando os irmãos começam a dormir juntos no mesmo quarto.
  • Também é verdade que, dormindo sozinhos ou em companhia, chega um dia em que não só não precisam de ninguém se não que não querem ninguém em seu quarto. É o problema de muitos pais com muitos filhos maiorzinhos e poucos quartos.
  • Em resumo, essa é uma etapa de amadurecimento pessoal. Muitos pais usam frases como “está um rapazinho” ou “já é uma mocinha” e com o sono também é assim. Ainda que não utilizemos as frases “dorme como um rapazinho” (ou como uma “mocinha”), na verdade começa a ser desta maneira.

É possível que ainda não se possa dar respostas a todas as perguntas acerca das funções do sono. Se supõe que o sono lento ajude nosso corpo a recuperar-se do cansaço físico assim como nosso sistema imunológico, e que nosso sono REM nos ajude na “gestão” das nossas emoções e na instauração das aprendizagens e da memória. Mas, exatamente, não conhecemos todos os pormenores do sono. Assim, segundo alguns autores:

“As teorias para tratar de dar respostas a todos os que têm dúvidas sobre as funções do sono são múltiplas e contraditórias, porém, esta contradição não pode ser mais do que aparente se se admite que o sono não tem as mesmas razões de ser, não tem as mesmas funções no bebê e no adulto; essas funções evoluem, se modificam com a idade.” (Challamel, M. J. e Thirion, M., 2003)

Queremos que as crianças durmam como os maiores, mas esquecemos de que para dormir como um maior, é necessário antes sê-lo.

Traduzido e adaptado de Dormir Sin Llorar, Rosa Jové.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *